• 23.01.2020

    • Exposição "Faróis de Portugal - Arquitectura & Engenho"

      Faróis de Portugal - Arquitectura e Engenho é uma exposição que se desdobra em olhares cruzados sobre os faróis enquanto monumentos, os discursos arquitetónicos que exibem, as torres monumentais, as torres de ferro e as construções adjacentes que moldaram a sua composição espacial.


      Do Farol de Alexandria, uma das sete maravilhas do Mundo Antigo, aos nossos dias, os faróis evoluíram de acordo com os avanços alcançados em diferentes áreas do saber, da arquitectura à engenharia, da hidrografia à física, da mecânica à electrónica, tendo mesmo sido, em alguns momentos da sua história, locais de experimentação e de inovação tecnológica, da óptica e estudos da luz à utilização de combustíveis.


      Hoje, automatizados e distantes do universo funcional do passado, os faróis continuam a ser um microcosmos de características únicas e os conjuntos edificados mais impressivos e fascinantes da paisagem marítima.


      Inauguração: 23 janeiro | 12h


      Farol Museu de Santa Marta

      Rua do Farol de Santa Marta
      2750-341 Cascais


      Gratuito

      Informações: fmsm@cm-cascais.pt | 214 815 328

      Organização: Câmara Municipal Cascais | Fundação D. Luís I | Bairro dos Museus

      Apoios: Autoridade Marítima Nacional | Direcção de Faróis




  • 31.01.2020

    • ​Exposição “Algarve sortido rico”

      Museu Municipal de Olhão – Edifício do Compromisso Marítimo


      Praça da Restauração


      Mostra de fotografia de Filipe da Palma, sobre arquitectura popular do Algarve


      31 janeiro a 15 maio


      10h às 12h30 –14h às 17h30
      Aos sábados: 10h às 13h



  • 06.02.2020

    • ​Exposição “12 Serigrafias de Arquitectos”

      Roca Lisboa Gallery


      Sessão de inauguração a 6 de fevereiro às 18h


      Segunda à Sexta-feira das 10h00 às 18h e aos Sábados das 10h às 17h


      O Roca Lisboa Gallery acolhe a partir de 6 de fevereiro a exposição “12 Serigrafias de Arquitectos”, uma selecção de obras de reconhecidos arquitectos portugueses de várias gerações que inclui contribuições de Siza Vieira, Souto de Moura e Carrilho da Graça.


      A exposição enquadra-se na celebração dos 35 anos do Centro Português de Serigrafia (CPS) e vem prestar homenagem a Manuel Graça Dias (1953-2019), arquitecto, professor e pensador, com um percurso ímpar na divulgação da arquitectura portuguesa.


      Comissariada por Graça Dias, que também assina uma das obras, a colecção “12 Serigrafias de Arquitectos” foi originalmente integrada nas comemorações do Dia Mundial da Arquitectura de 2014 e já passou por Bilbau, tendo sido pensada enquanto conjunto abrangente e representativo do panorama da arquitectura portuguesa contemporânea.


      Sobre ela, Graça Dias disse na altura tratar-se de “uma colecção bastante improvável, complexa e variada – sobretudo, menos previsível do que o habitual”, com obras de arquitectos “reconhecidos pela sua produção desenhada”.


      Serão exibidas no Roca Lisboa Gallery serigrafias de Álvaro Siza Vieira, Alexandre Alves Costa, Eduardo Souto de Moura, Carrilho da Graça, Manuel Graça Dias, Luísa Penha, Fátima Fernandes, Egas José Vieira, Pedro Ravara, Alexandra Margaça, Pedro Bandeira e Pedro Machado Costa. Uma selecção que João Prates, director do Centro Português de Serigrafia, afirma denotar “a generosidade, a grande capacidade de diálogo e o gosto pelo encontro imprevisível” que era transversal ao trabalho de Graça Dias.


      A exposição “12 Serigrafias de Arquitectos” tem entrada livre e poderá ser visitada até ao final de maio, de segunda à sexta-feira das 10h às 18h e aos Sábados das 10h00 às 17h.


      A sessão de inauguração terá lugar no dia 6 de Fevereiro às 18h00 e contará com a participação de João Prates e de Jorge Vieira, director-geral da Roca em Portugal, José Manuel Pedreirinho, presidente do Conselho Directivo Nacional da Ordem dos Arquitectos, e Egas José Vieira, sócio fundador do Atelier Contemporânea e autor de uma das obras da colecção.


      Para marcar presença no evento basta reservar lugar no website do Roca Lisboa Gallery aqui


  • 17.02.2020

    • ​Ciclo de Seminários “Património industrial. Património partilhado”

      O Departamento de Arquitectura e Urbanismo do ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa, o ISTAR-IUL, a FCSH da Universidade Nova de Lisboa, o ICOMOS-Portugal e a APAI – Associação Portuguesa de Arqueologia Industrial, organizam um Ciclo de Seminários “Património industrial. Património partilhado”, no âmbito dos trabalhos em curso no Mestrado Integrado em Arquitectura e no Doutoramento em Arquitectura dos Territórios Metropolitanos Contemporâneos do ISCTE-IUL, e do tema proposto pelo ICOMOS para celebração do Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, este ano dedicado a “Culturas partilhadas, património partilhado, responsabilidades partilhadas”.


      Estão previstos três seminários nos quais se vai reflectir e debater o património industrial, nas suas vertentes histórica e arqueológica (sessão 1); arquitectónica – reabilitação integrada (sessão 2); musealização e envolvimento da sociedade (sessão 3).


      Uma visita guiada à Fábrica da Pólvora de Barcarena, em Oeiras, integra o evento.


      17 fevereiro, 10h – 12h30
      ISCTE-IUL, Auditório J.. Laginha


      24 março, 10h – 12h30
      ISCTE-IUL, Auditório B.203


      30 abril, 10h – 12h30
      Nova FCSH, Torre B, Auditório 1


      Programa


      Participação gratuita


      Inscrições

  • 26.02.2020

    • ​Conferências “Doze casas Duas gerações”

      Entrada livre a sujeita a inscrição prévia


      26 fevereiro
      Francisco Aires Mateus, João Cravo
      Moderador: José Maria Assis e Santos
      Auditório 1, Universidade Lusíada Lisboa (Faculdade de Arquitectura e Artes)
      11h – 13h


      2 março
      João Ventura Trindade, Corpo Ateliê
      Moderador: Pedro Guedes e Lebre
      Auditório 1, Universidade Lusíada Lisboa
      11h – 13h


      25 março
      Inês Lobo, ASPA
      Moderador: João Belo Rodeia
      Auditório 1, Universidade Lusíada Lisboa
      11h – 13h


      2 abril
      Promontório, Colectivo Warehouse
      Moderador: Sónia Neves da Silva
      Auditório 1, Universidade Lusíada Lisboa
      11h – 13h


      15 abril
      João Favila, Brito.Rodriguez
      Moderador: Ricardo Bak Gordon
      Auditório 1, Universidade Lusíada Lisboa
      11h – 13h


      20 maio
      Manuel Aires Mateus, DUOMA
      Moderador: António Campinos Poças
      Auditório 1, Universidade Lusíada Lisboa
      11h – 13h


      Mais informação e inscrições



  • 06.03.2020

    • ​Exposição | Escolas: Complexidade e Interpretação

      6 março a 3 abril, Galeria de Exposições, FAUP


      A Exposição “Escolas: Complexidade e Interpretação” constitui um dos eventos inserido no projecto de investigação homónimo. Sediado no CEAU da FAUP, e enquadrado no grupo de investigação Atlas da Casa, o projecto tem como pano de fundo a transformação arquitectónica dos edifícios escolares, intervencionados ao abrigo do Programa da Parque Escolar, constituído por um universo de 74 escolas localizadas "a norte" do país.

      Este projecto tem como objectivo revisitar e debater a importância da intervenção arquitectónica nas escolas secundárias, promovendo um diálogo que, assente nas práticas e no campo disciplinar da arquitectura, potencie o conhecimento, envolvendo as dimensões políticas, pedagógicas, culturais, económicas e sociais. Assim, experimentando o interpretável, e pelos processos de consciencialização, perspectiva-se potenciar as qualidades metodológicas desta estratégia de intervenção para outros âmbitos programáticos.

      Sob a coordenação de André Santos (CEAU-FAUP), o projecto integra na equipa de investigação 17 alunos de diferentes anos curriculares do curso de MIArq que, na sequência da sua participação, desenvolvem comummente a dissertação de mestrado enquadrada e orientada individualmente por cada um dos temas de arquitectura que o projecto persegue no seu percurso temporal.

      O evento da Exposição assinala um significativo momento do desenvolvimento deste projecto, promovendo a comunicação de saber e a correspondente difusão alargada junto do público, incorporando o objectivo de ultrapassar a especificidade do campo disciplinar da arquitectura e de salientar a sua importância social e cultural, condição aqui majorada pela relação com a função escolar. Reconhecendo-se a circunstância dos edifícios escolares serem dos mais universalmente utilizados e atendendo a que essa utilização ocorre num processo longo e sequencial da formação de cada indivíduo, reitera-se e reforça-se o sentido público da instituição escolar e a responsabilidade social da arquitectura na materialização dos seus edifícios.




      Neste sentido, o evento assume a responsabilidade de comunicação com um público vasto, procurando sensibilizar a sociedade para a importância da escola enquanto instituição e para a arquitectura escolar enquanto responsável pela dignificação do processo ensino-aprendizagem.

      A Exposição propõe uma revisita aos projectos e obras das escolas que definem o universo de estudo, organizando-as segundo os 5 temas principais que norteiam o projecto de investigação, desenhando 5 capítulos na ocupação de 5 espaços.

      A partir destes 5 temas propõe-se uma narrativa sequencial, iniciada com a Reorganização Espaço-Funcional que serviu de mote inspirador, quer para a adequação das condições espaciais às novas exigências pedagógicas, quer na transformação dos edifícios escolares segundo um modelo de ensino-aprendizagem adequado à contemporaneidade. No tema Reabilitação e Valor Patrimonial convoca-se a condição dos edifícios preexistentes enquanto matéria operativa para a sua reabilitação, independentemente do maior ou menor valor patrimonial de cada uma das arquitecturas, permitindo-se ampliar a condição pedagógica do “ser escola”, na promoção de uma estratégia de reabilitação. O Contexto Urbano reflecte sobre a responsabilidade dos edifícios públicos, nomeadamente os escolares, para com a cidade, compromisso indiscutível no contexto da construção dos primeiros liceus e que, ao longo do tempo, se foi esbatendo ou alienando. Em Infra-estruturas debatem-se as consequências da incorporação dos mais recentes diplomas legais, traduzidos numa intensa carga de sistemas infra-estruturais mais significativamente intrusivas no contexto da reabilitação de edifícios preexistentes. Finalmente, em Expressão Arquitectónica, reflecte-se de que forma as arquitecturas resultaram na diversidade das soluções, enquanto síntese de articulação dos temas anteriores.

      A Exposição será inaugurada na FAUP (Sala Plana e Auditório Fernando Távora), no dia 6 de março de 2020 pelas 18h30, numa sessão pública, à qual se seguirá uma visita ao ambiente expositivo, estando patente ao público até ao dia 3 de abril de 2020.



  • 10.03.2020

    • ​Exposição O Mar é a nossa terra. A construção sensível da linha de costa

      10 de março a 9 de agosto 2020


      CCB (Garagem Sul)


      terça a domingo
      10:00–18:00

      garagemsul@ccb.pt

      213 612 614/5


      Curadoria André Tavares e Miguel Figueira
      Produzida pelo CCB/Garagem Sul


      O oceano Atlântico é um espaço amplo e complexo que determina grande parte das nossas vidas. Em terra, uma linha de costa não é uma linha, é um eterno fluxo. Esta exposição cartografa e apresenta as contradições que existem entre a terra e o mar, sob a perspectiva da arquitectura, do ordenamento do território e da construção da paisagem.


      Esta matéria, tão sensível e relevante para a sociedade, tem sido objecto de atenção de um conjunto de arquitectos que têm desafiado os limites convencionais da disciplina. Tendo como ponto de partida as contradições físicas e a cultura popular da praia da Figueira da Foz, a exposição percorre um conjunto de experiências de pensamento, desenho e configuração das linhas de costa e da sua relação com a densa imensidão do oceano.


      O mar é um lugar: em vez de considerar a água como limite ou espaço de confronto, o mar pode e deve ser um parceiro na construção da terra.

      A exposição tem a curadoria dos arquitectos Miguel Figueira, autor de obras como as intervenções no espaço urbano e o Centro de Alto Rendimento de Montemor-o-Velho, e André Tavares, programador da Garagem Sul / Centro Cultural de Belém e investigador no Lab2PT da Escola de Arquitectura da Universidade do Minho.


      Resulta de um trabalho coletivo que contou também com a participação do arquitecto Pedro Maurício Borges e dos designers change is good (José Albergaria & Rik Bas Backer), dos arquitectos Marta Labastida, Ivo Poças Martins e Pedro Bandeira, assim como do surfista Eurico Gonçalves e da produtora Carla Cardoso. Além das várias instituições parceiras, colaboraram na preparação da exposição Aitor Ochoa Argany, Daniel Duarte Pereira e Diego Inglez de Souza no âmbito do grupo de investigação Fishing Architecture do Lab2PT, Escola de Arquitetura da Universidade do Minho.





  • 12.03.2020

    • ​Cidade como projecto: direito à habitação

      Março-abril 2020


      Às quintas-feiras, 18h – 20h


      ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa, Sala 2E06



  • 13.03.2020

    • ​Iniciativa “Cadernos de Viagem de Abrantes”

      13 de março a 30 de maio


      Exposições, workshops, residência artística, oficina de ilustração, encontro de cadernos de viagem – com a Delegação do Centro da Ordem dos Arquitectos - Secção Regional do Sul.

      Abrantes é palco de exposições de desenhos e cadernos de viagem. À semelhança dos ‘Carnets de Voyage’ de Clermont-Ferrant, os Cadernos de Viagem de Abrantes são um espaço de encontro e de fusão do desenho com a escrita de viagens e outras artes como a fotografia e o vídeo.

      A partir de 18 de abril, haverá um programa de workshops, apresentações e lançamento de livros, residência artística, oficina de ilustração para alunos do ensino secundário, encontro de cadernos de viagem - Urban sketchers e uma viagem pelo concelho.

      Tal como em anos anteriores, haverá uma residência artística, entre 5 e 14 de maio, que juntará um criativo e um escritor que andarão pelo território de Abrantes a desenhar e a escrever sobre várias temáticas locais.

      Ambos ficam alojados na residência cultural de Abrantes, situada no edifício da Quartel da Arte Contemporânea de Abrantes – Colecção Figueiredo Ribeiro, no do antigo quartel dos bombeiros. Este ano estarão em Abrantes o ilustrador João Catarino e Filipa Leal, escritora, poetisa, argumentista e jornalista.

      Os Cadernos de Viagem de Abrantes são uma iniciativa do município de Abrantes com a colaboração da Delegação do Centro da Ordem dos Arquitectos - Secção Regional do Sul.

      Programa dos Cadernos de Viagem de Abrantes 2020

      Feira do livro de vi­a­gens
      13 de março a 30 de maio de 2020
      Bi­bli­o­teca Mu­ni­cipal An­tónio Botto
      Em par­ceria com a li­vraria Ao Pé das Le­tras

      Ex­po­sição "Olhar de­vagar", de João Ca­ta­rino
      13 de março a 30 de maio de 2020
      Bi­bli­o­teca Mu­ni­cipal An­tónio Botto.

      Ofi­cina de ilus­tração - De­senho de campo por Paulo Alves
      18 de abril de 2020, das 10h00 às 13h00
      Bi­bli­o­teca Mu­ni­cipal An­tónio Botto.

      Re­si­dência Ar­tís­tica - João Ca­ta­rino vem de­se­nhar Abrantes
      De 5 a 14 de maio de 2020

      Re­si­dência ar­tís­tica - Fi­lipa Leal vem es­crever sobre Abrantes
      16 a 22 de maio de 2020

      Abrantes ida e volta: vi­agem pelo con­celho
      8 de maio de 2020, das 09h00 às 18h00
      Pelo con­celho (com início na Bi­bli­o­teca)

      En­contro de ca­dernos de vi­agem - Urban sket­chers
      9 de maio de 2020, das 10h00 às 15h30
      Pela ci­dade (com início na Bi­bli­o­teca)
      Aberto a todos os que qui­serem vi­ajar por Abrantes, de­se­nhando, es­cre­vendo sobre ela, fo­to­gra­fando, fil­mando, vi­vendo-a como mais lhes agradar. Re­gresso à bi­bli­o­teca para par­tilha dos tra­ba­lhos de­se­nhados.

      Mas­ter­class com João Ca­ta­rino e apre­sen­tação do livro "Abrantes: o ca­derno de Te­resa Ruivo e José Riço Di­rei­tinho"
      9 de maio de 2020, às 16h00
      Bi­bli­o­teca Mu­ni­cipal An­tónio Botto

      "Entre nós e as pa­la­vras" com a es­cri­tora Fi­lipa Leal
      21 de maio de 2020, às 21:30
      Bi­bli­o­teca Mu­ni­cipal An­tónio Botto.
      Apre­sen­tação de livro "O qua­drado de F.", da Não Edi­ções

      Ofi­cina de ilus­tração - Olhar de­vagar por João Ca­ta­rino
      13 de maio de 2020, das 10h00 às 13h00
      Es­cola Se­cun­dária Dr. So­lano de Abreu
      Pú­blico-alvo: En­sino se­cun­dário

      A par­ti­ci­pação nas ofi­cinas é gra­tuita, mas com ins­crição obri­ga­tória (su­jeita a con­fir­mação, dado o nú­mero li­mite de par­ti­ci­pantes). In­clui cer­ti­fi­cado de par­ti­ci­pação